O conceito de Forest School surgiu na Escandinávia, nos anos 1950. O primeiro registo, pelo menos, remonta a esta década, quando Ella Flatau criou um “Jardim Infantil em Movimento” na Dinamarca, em que as crianças faziam caminhadas diárias na floresta. Passados alguns anos, tornou-se comum encontrar escolas que levavam as crianças para o campo e, nas décadas de 1970 e 1980, já era habitual encontrar escolas na floresta em toda a Dinamarca, maioritariamente para colmatar a falta de instalações para o ensino pré-escolar.

A metodologia Forest School actual baseia-se em sessões de aprendizagem na natureza focadas na individualidade da criança e na importância do brincar, baseadas na observação e colaboração entre adultos e crianças, tudo num ambiente natural ou de floresta, que promove a exploração e a descoberta.

Ao apostar num desenvolvimento integral das crianças, consegue-se assim que estas se tornem adultos resilientes, confiantes, independentes e activos, com um forte desenvolvimento físico, social, cognitivo, linguístico, emocional e social. Além disso, a criação de oportunidades para que as crianças possam assumir riscos permite o desenvolvimento da sua motivação inata e de atitudes positivas, recorrendo a ferramentas apropriadas.

Os projectos Forest School são assegurados por profissionais que mantêm o seu desenvolvimento profissional de forma continuada, usando um rácio elevado de adultos para crianças, sempre em conformidade com a legislação aplicável.